• Ferranti e Bianchini

A NECESSIDADE DE RESPONSÁVEL TÉCNICO PARA REFORMAS EM APARTAMENTO


É muito comum que em edifícios residenciais, os moradores proprietários de apartamento acreditem que, por se tratar de propriedade individual, é possível realizar qualquer tipo de alteração e reforma sem que tenham que informar alguém ou pedir autorização, por desconhecerem que intervenções não planejadas e executadas corretamente podem impactar a estrutura da edificação.


Ocorre que existe uma norma técnica da ABNT (16.280), em vigor desde 2015, que exige que qualquer obra a ser realizada em um prédio, mesmo dentro do apartamento, seja comunicada ao síndico e tenha acompanhamento de profissional que exerça responsabilidade técnica sobre a reforma, manifestada através de uma ART – Anotação de Responsabilidade Técnica, assinada por um engenheiro(a) civil ou RRT – Registro de Responsabilidade Técnica, assinada por um arquiteto(a).


E mesmo com um profissional responsável pela obra, cabe ao síndico guardar os documentos de responsabilidade e acompanhar a execução da obra, a fim de garantir que o que foi acordado está sendo seguido.


Mas e se o morador não quiser informar o síndico sobre a obra? Ou pior, se negar a contratar um responsável técnico? O síndico poderá denunciar a obra na Prefeitura ou entrar na justiça pedindo a paralisação da reforma. Também é possível proibir a entrada do material e barrar a entrada dos trabalhadores que estão fazendo a reforma.


Pode parecer uma medida drástica e por vezes exagerada, mas existe uma justificativa para ela. É EXTRAMEMENTE IMPORTANTE que exista o acompanhamento de um profissional qualificado – engenheiro ou arquiteto – porque algumas reformas, por mais simples que pareçam, podem causar danos que prejudiquem o desempenho/funcionamento do prédio como um todo, inclusive em sua estabilidade estrutural, oferecendo risco aos moradores estruturais irreparáveis no prédio inteiro, prejudicando TODOS os moradores.


Ainda, sendo o síndico omisso, ou seja, havendo uma reforma na unidade sem que ele exija o cumprimento da norma, e permita a continuidade da obra, estará praticando ato ilícito. Se não há assembleia, nem engenheiro ou arquiteto contratado com regular ART/RRT, a responsabilidade pela obra/reforma é inteiramente do síndico.


Diante do delito de omissão, será dever do síndico reparar os danos eventualmente causados pela obra a algum dos outros moradores, independente de culpa.


Sendo assim, PREVENÇÃO é a melhor forma de se assegurar, exigindo dos moradores a contratação de responsável técnico a fim de garantir a segurança de todos os residentes.



Abaixo, especificamos quais as reformas que precisam de ART/RRT assinada por engenheiro civil ou arquiteto e em quais hipóteses ela é dispensada.


PRECISA DE ART/RRT:

• Alterações estruturais

• Troca de pisos

• Quebra de paredes

• Envidraçamento de sacadas

• Reparos que necessitem de ferramentas de impacto como marteletes e marretas

• Alterações na instalação elétrica que necessitem de engenheiro elétrico


NÃO PRECISA DE ART/RRT:

• Alterações simples como troca de revestimentos que não necessitem de marteletes ou ferramentas de alto impacto

• Pintura interna

• Instalação de redes de proteção

• Pequenos reparos elétrico e hidráulicos, que não mexam na parte estrutural da edificação e não necessitem de ferramentas de impacto

2 visualizações
  • CARLOS BARBOSA

  • BENTO GONÇALVES

  • FARROUPILHA

  • LAJEADO

  • CAXIAS DO SULTO 

  • Facebook - Grey Circle
  • G+ - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

(54) 3461.1919 / (54) 99612.0448 WhatsApp